Amigável? Nunca será!
Algo que me deixa feliz e que pelo menos traz um conforto é o fato de saber que Eusebio Di Francesco sabe diferenciar bem o sentimento romanista, e quando é jogo contra a Juventus a pegada é mais embaixo. isto também de uma certa forma não tez ressentimentos na questão Spalletti, porque se fosse Luciano o técnico certamente partida descambaria para uns 5, 6 gols e no final ele explicaria que se trata apenas de um amistoso… Enfim, o amistoso foi um jogo sério dos dois lados, basta ver como os técnicos controlaram as mudanças das equipes e se estudaram atentadamente pouco se importando em avaliar suas novas opções. Claro, o elenco bianconero ainda é muito superior ao giallorosso, ainda mais se tratando de um recomeço, mas podemos ficar felizes com a atitude no geral do time. É tão perceptível essa rivalidade que o jovem Marco Tumminello foi o único a erra as cobranças, obviamente com o nível de nervosismo que é um jogo entre Roma e Juventus.

Síntese: Gazzetta dello Sport

Roma-Juve, Dzeko responde Mandzukic. Nos pênaltis sorri Allegri. Entre os bianconeri estréia Bernardeschi na segunda etapa. Decidem as cobranças da marca do penalti: erra apenas Tumminello (defesa de Pinsoglio)

Por: Chiara Zucchelli

Vão bem os experimentos, vão bem as mudanças de modulo (apenas Allegri as modifica 3), vão bem as tantas trocas, mas a realidade é que também do outro lado do oceano Roma-Juve é sempre uma partida diferente das outras. Primeira contra segunda do campeonato, as únicas italianas a participar da Champions League se colocam em mostra, tudo que podem no dia 30 de julho: corrida até que o fôlego aguente, verticalizações e pressões. E também algumas jogadas do limite, não parece jamais realmente apenas um amistoso: nos penais a Juventus, mas os noventa minutos terminaram em paridade, 1 a 1, com um primeiro tempo de clara marca bianconera, encerrado em vantagem com o gol de Mandzukic. O segundo tempo com a reação da Roma, encontra o empate com Dzeko.

POUCAS NOVIDADES - Justo o bósnio é um das tantas velhas fazes das duas equipe, porque entre os 22 que iniciam a partida existem apenas três novas aquisições: De Sciglio na Juve, Kolarov e Defrel na Roma. Seja Allegri seja Di Francesco pelo menos no início fazem poucos experimentos: na Juve defesa a 4 com Benatia e Rugani no centro e o ex-Milan e Alex Sandro sobre as faces, Pjanic e Marchizio no meio, Cuadrado, Dybala e Mandzukic atrás de Higuain. A Roma responde com o famigerado 4-3-3 com Peres e Kolarov laterais, Fazio e Jesus centrais, De Rossi, Nainggolan e Strootman meio campistas, Defrel, Perotti e Dzeko no ataque. Justo o ex Sassuolo pincela uma bola de ouro que o bósnio devora na frente de Buffon, de fato a única vez que a Roma realmente foi perigosa no primeiro tempo. A inércia da partida está nas mãos da Juve, Dybala e Pjanic tentam a distancia, mas a mira não é o máximo e nem mesmo a potência, Perotti tenta bastante Rugani e De Sciglio, mas a Roma conclui pouco (mesmo se Nainggolan com uma fuzilada dos vinte metros tenta surpreender Buffon) e então os bianconeri avançam. Metro após metro, bola vertical sempre no meio dos dois centrais giallorossi, não muito rápidos, a Juve passa a meia hora quando uma esplendida embolsada de Alex Sandro serve Madzukic que sobre a linha de impedimento escapa, descarta Alisson, não obstante a desesperada tentativa de Juan Jesus.

RÉDEA E ESTRÉIAS - O brasileiro fica nos vestiários no intervalo, no seu lugar Moreno (algumas rebarbas a mais para o mexicano), antes da primeira frequentemente ciranda de mudanças. Allegri coloca primeiro Douglas Costa e depois Bernadeschi, na estréia, A Juve joga 4-2-4 e depois 4-3-3 e parece dona do match (gol anulado de Dybala por impedimento depois de um travessão de Strootman), até que Gonalons, que entrou no lugar de De Rossi, faz aquilo que havia feito Pjanic no primeiro tempo. Escola Lion, começa a verticalizar no meio aos centrais e é justo de uma leitura não impecável da defesa da Juve que chega o empate da Roma: assistência de Kolarov, Dzeko (pouco antes protagonista de um braço muito alto no contraste com Chiellini) queima Barzagli e bate Pinsoglio, que entrara no lugar de Buffon.

OS PENALTIS - O calor começa a se sentido, e também as tantas mudanças revolucionaram as equipes: Bernadeschi diante de Alisson chuta pra fora, assim como Douglas Costa em bola parada, o resultado não muda e se parte para os pênaltis, bons apenas para decretar a vencedora da ultima partida da Champions Cup. É a Juventus, que se impõe graças ao erro decisivo de Tumminello.

@ChiaraZucchelli

JUVENTUS (4-2-3-1): Buffon (20' st Pinsoglio); De Sciglio (1' st Lichtsteiner), Benatia (1' st Chiellini), Rugani (1' st Barzagli), Alex Sandro (20' st Asamoah); Pjanic (21' st Sturaro), Marchisio (1' st Khedira); Cuadrado (1' st Douglas Costa), Dybala (21' st Betancur), Mandzukic (20' st Bernardeschi); Higuain (30' st Kean). A disp.: Del Favero, Mandragora, Rincon, Lemina, Caligara, Coccolo, Vogliaccio, Szczesny. Técnico Allegri

ROMA 433: Alisson, Bruno Peres, Fazio, Juan Jesus (46' Moreno), Kolarov (83' Castan), Strootman (62' Pellegrini), De Rossi (46' Gonalons), Nainggolan (62' Gerson), Defrel (62' Under), Dzeko (82' Tumminello), Perotti (82' Iturbe),

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM

uCoz