DERBY DA RESSACA
Um olho no peixe outro no gato. Mesmo se ambas equipes estão de olho na Champions da próxima temporada, portanto com o mesmo tipo de objetivo e consequentemente apreensão, esse jogo era preocupante também principalmente porque é um clássico e poderia melar a boa atmosfera que se vive depois da épica eliminação do Barcellona nas quartas de final da Liga dos Campeões da Europa. A sorte é que o time celeste também vinha de um jogo pesado pela Liga Europa, porém com um final trágico para os laziales eliminados da competição, após derrota por 4 a 1. Deste modo o clima e a responsabilidade, muito maiores para a Lazio, que não poderia vacilar de maneira nenhuma, antes, talvez até para apagar o vexame da eliminação (ganhara por 4 a 2 o primeiro em casa e perdeu por 4 a 1 o jogo de volta, sendo que havia aberto o placar) a melhor solução seria uma vitória no derby. A Roma se manteve em pé, fez o feijão com arroz e optou pelo empate, mesmo se teve chances mais claras com uma bola na trave de Peres e um travessão de Dzeko. Bom também que a Inter se mantém atrás, embora com -1, mas com o conforto de ainda estar nas mão da Roma manter a terceira colocação. A felicidade é grande, não cabe no torcedor romanista que pela primeira vez na história dessa competição vai disputar as semifinais. Claro que isso irá desgastar o time e terá que dosar as duas competições, mas reclamar de uma situações dessas é absurdamente fora de cogitação. 

Síntese: Il Messaggero

O derby fica sem gol. No Olímpico termina empatado o duelo Champions entre Lazio e Roma que permanecem emparelhadas na terceira posição. A Inter volta a -1. Os biancocelesti jogam melhor, os giallorossi acertam as traves do gol de Strakosha com Bruno Peres e Dzeko.

Por: Ugo Trani

ROMA O derby não é de ninguém: 0 a 0 na noite do Olímpico que se acende apenas no final, com Dzeko e Milinkovic. Os aplausos, em suma, vão mais para as curvas pela coreografias que aos protagonistas pelas jogadas. Porque a Lazio e a Roma, depois dos resultados em antítese nas copas europeias, se contentam de permanecerem juntas na terceira posição e de se destacar, mesmo se apenas por um ponto, a Inter, quinta. Cabeça a cabeça, entretanto, na viagem Champions que, com 2 lugares a disponibilizar, prevê seis partidas. O empate, então, é justo: os giallorossi, em vantagem (nos encontros diretos) graças a vitória do jogo de ida, chega próximo do sucesso com uma trave de Peres e o travessão de Dzeko; os biancocelesti, certamente mais vivazes, freiam o assalto final depois da expulsão de Radu.

BORRÃO ANUNCIADO

A partida vive de fases intermitentes: as consequências da ultima semana bloqueiam as pernas e aniquilam as ideias. Depressão e esbórnia, para entender. Apenas 3 novidades, depois dos respectivos empenhos na Europa: os técnicos limitam as intervenções, confiando em quem os acompanhou até aqui. Inzaghi substitui na faixa direita o desafortunado Basta, que ficou entretanto no banco, com Marusic e, para ter mais velocidade as costas de Immobile, Luis Alberto com Anderson. Di Francesco, também queria confirmar os protagonistas da extraordinária noite contra o Barça, poupa inicialmente Florenzi e repropõem Peres como meia direita. A Lazio, mesmo se Anderson tenta deixar a marca, segue a mesma estrada, com o 3-5-1-1 que pelo menos no inicio fôra bastante agressivo com o trabalho de Immobile, de Milinkovic e Parolo. E obviamente de Anderson que vai acatar Jesus e Kolarov. A Roma, ao contrário, busca repetir o 3-4-2-1 que descobriu apenas terça-feira a noite: o sistema de jogo tem senso apenas com a pressão que porém não é contínua e asfixiante como mostrado no duelo da Champions diante dos blaugrana.

PRIORIDADE AO EQUILÍBRIO

Poucas, então, as chances no primeiro tempo: é a classificação a condicionar o match. Os biancocelesti distribuem mais a bola por terra e se fecham com 5 jogadores: Marusic e Lulic recuam para desarmar Kolarov e Peres. Os giallorossi privilegiam os lançamentos e avançam a defesa para o meio campo: Manolas, com sucesso, chama muitas vezes o impedimento. Strakosha e Alisson não tem trabalho. Parolo chuta alto ao despertar do jogo e tenta novamente um pouco depois. A Lazio faz a partida, sem ser porém eficaz. Jamais enquadrou o espelho do gol. Apenas retarda, depois de meia hora, eis que reaparece a Roma. Nainggolan puxa os companheiros em direção de Luiz Felipe , Vrij e Radu. A linha defensiva, antes do intervalo, entra em apneia. Nainggolan ajeita na área para Peres que acerta a trave. Kolarov, avançando em seu corredor, força a esquerda no meio da área, mas Dzeko não se mostra pronto diante do gol. CORREÇÃO EM MOVIMENTO

Di Francesco usa Under para sair da letargia (apenas 2 pontos nas últimas 3 partidas da competição): fora Schick. Inzaghi responde logo com Lukaku no lugar de Lulic e com Luis Alberto para saída de Anderson que não gosta, passa pelo banco e retorna para o vestiário carrancudo. Milinkovic, no meio da fração, usa a cavadinha para lançar Immobile: conclusão longe do gol. A Roma é tímida, a Lazio dá impressão de nao pensar mais no Salzburgo. Manolas se entrega as câimbras: em campo Florenzi. Jesus vai para o meio da defesa, com Kolarov que recua na linha a três. Peres se move para esquerda. Radu se entrega a caça (33º expulso desde a temporada 1994-95: recorde em derby’s) pelo duplo amarelo: depois da falta em Schick no primeiro tempo, repete sobre Under no segundo. El Shaarawy por Peres e para desfrutar o homem a mais. A resposta: Bastos por Immobile, com Milinkovi centroavante. El Shaarawy salva a ação de Marusic. No início dos acréscimos Strakosha voa para a cabeçada de Dzeko que repete poucos segundos depois, acertando, também de cabeça, o travessão (20º no campeonato e 23º na temporada). Milinkovic, ao contrário, arremata dos 60 metros, com Alisson (19º clean sheet na temporada) fora da área. Mas, depois de 4 anos (9 de fevereiro de 2014), outro 0 a 0.

@utti60

LAZIO (3511) Strakosha; Luiz Felipe, de Vrij, Radu; Marusic, Parolo, Leiva, Milinkovic, Lulic (14’ s.t. Lukaku); Felipe Anderson (14’ s.t. Luis Alberto); Immobile (37’ Bastos)A disp.: Guerrieri, Vargic, Caceres, Wallace, Basta, Murgia, Di Gennaro, Nani, Caicedo. Téc.: Simone Inzaghi

ROMA (3421): Alisson, Fazio, Manolas (74' Florenzi), Juan Jesus, Bruno Peres (81' El Shaarawy), Strootman, De Rossi, Kolarov, Nainggolan, Schick (55' Under), Dzeko

Cartões: 11’Leiva, 31’Juan Jesus, 36’Luiz Felipe, 39’Radu, 62’Strootman, 80’Rdau (expulso)

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM

uCoz