VITÓRIA NA ESTACA ZERO
A esquadra de Ranieri venceu no retorno do técnico. Foi muito difícil, com erros para dar e vender. Na hora H, o VAR foi fundamental, anulando gol do Empoli que, a partir de junho, será ilegal, mas por enquanto não é. Antes, Florenzi havia sido expulso injustamente e o gol contra de Juan Jesus, em lance ridículo de uma defesa ridícula, veio de impedimento. É inegável a participação da arbitragem. Em campo, a Roma foi no máximo razoável, em especial com El Shaarawy, o próprio Florenzi e um Kluivert obstinado, mas errante. N'Zonzi fez partida aceitável e Schick marcou gol. O segundo tempo foi bem pior que o primeiro, mas o parâmetro é nulo, afinal tudo mudou e agora a Roma é um novo time, tentando se encontrar o mais rápido possível. Pelo menos, que faça isso conquistando pontos.

Síntese: La Repubblica

Ranieri sorri graças a Schick e ao Var. Os giallorossi passam com algumas dificuldades consideráveis os toscanos. Decide o tcheco depois de um gol de El Shaarawy e um contra de Jesus. No final anulado o 2 a 2 de Krunic por um toque com o braço de Oberlin. Travessão de Pasqual, expulso Florenzi no final.

Por: Jacopo Manfredi

ROMA - Com suspiros e alguns demasiados sustos, a Roma supera por 2 a 1 o Empoli e torna feliz o retorno de Ranieri no comando giallorosso. Uma vitória fundamental que consente a formação da capital de voltar a briga pela quarta posição, colocando de lado a eliminação na Champions. Foi por pouco porém que os toscanos tornassem isso um bruto susto. Apenas o Var, que assinalou para Maresca um toque com o braço de Oberlin na ocasião do gol de Krunic aos oitenta e seis minutos, impedindo de fato que o Empoli não levasse um ponto que de qualquer forma não teria merecido.

RANIERI, PROVAS DE REVOLUÇÃO

Ranieri tem certamente muito a trabalhar sobre uma equipe que continua a viver de medo, principalmente na gestão do resultado. No meio tempo, porém, fez ver que mudará diversas coisas concentrando o combate entre meio campo e defesa e sobre os dois atacantes de função. Apenas o tempo irá dizer se irá conseguir fazer com que time sofra menos gols de uma Roma que continua a ter dificuldades nos jogos com o gol inviolado. Obrigado a fazer as contas com as tantas ausências, entre suspensões (Fazio, Kolarov e Dzeko) e lesões (Pastore, Under, Pellegrini, De Rossi e Manolas), o novo técnico giallorosso recomeçou pelo 4-4-2 com Santon na lateral esquerda, Kluivert promovido como titular a direita, El Shaarawy na esquerda, Zaniolo ao lado de Schick na frente. No fronte oposto Iachini preferiu a segurança confirmando a mesma formação que empatou com o Parma. EL SHAARAWY MARCA, JESUS SE ATRAPALHA

A Roma inicia com o pé correto, passando a frente na primeira conclusão a gol (9’): El Shaarawy recolhe um rebote curto da defesa azzurra depois de uma cobrança de escanteio e busca o angulo com um perfeito arremate em giro. Nem mesmo o tempo de comemorar e os giallorossi (12’) se complicam sozinhos: em uma cobrança de falta da meia cancha defensiva giallorossa de Pasqual, Silvestre se coloca como torre no meio para Jesus em uma intervenção ruim desviar de cabeça a bola contra a própria meta. O ANGULO DE PASQUAL, SCHICK FAZ 2 A 1

A Roma acusou o golpe e por pouco não sofre o segundo nos pés de Pasqual que auferiu o angulo com uma cobrança dos 25 metros. Passado o perigo a equipe de Ranieri arregaça as mangas, começa a atacar melhor e, depois de ter falhado uma clamorosa ocasião com Zaniolo, desmarcado sozinho depois de um calcanhar de El Shaarawy, volta a ficar na frente do marcador depois de uma perfeita cabeçada de Schick em uma cobrança de falta da direita por parte de Florenzi. O EMPOLI ASSUSTA OLSEN

No segundo tempo a Roma perde quase no inicio Zaniolo que se lesiona no púbis e Ranieri decide inserir Perotti na esquerda e El Shaarawy como segundo centro avante. Os giallorossi tentam gerir, tentando algumas ações com Kluivert e El Shaarawy, mas não incide. O Empoli toma coragem e desperdiça duas boas ocasiões com Krunic (arremate de direita desviado a favor da posição) e Dell’Orco (cabeçada que passa muito perto da trave). A complicar o final giallorosso pensa o arbitro Maresca colocando para fora aos 80’ com excessiva severidade Florenzi pelo segundo amarelo recebido. A Roma, cansada pelo jogo do Porto, perde também Schick com fadigas colocando em campo o jovem Celar que estréia executando a função de única ponta sofrendo contra um Empoli que tentou de tudo com os ingressos do ex Brighi, Uçan e de Oberlin. KRUNIC EMPATA, MAS O VAR ANULA

Justo a recém entrada se rende protagonista no jogo se tornando o episódio-chave no final: um contraste entre Jesu serviu Caputo, bravo em servir na retaguarda Krunic que com um preciso arremate de direita bate do limite da área Olsen. Gol? Mas o que. Maresca, advertido por Massa pelo Var, vai controlar a ação e nota um toque de braço de Oberlin, do qual o Empoli havia entendido indiscutivelmente em vantagem, e anula. A Roma tira um suspiro de alivio. Mas se quiser chegar a quarta posição deverá decisivamente levantar a barra do jogo e da solidez.

@jacopomanfredi

ROMA (4231): Olsen, Florenzi, Marcano, Jesus, Santon, Cristante, Nzonzi, Kluivert (81' Karsdorp), Zaniolo (55' Perotti), El Shaarawy, Schick (86' Celar)

EMPOLI (352): Dragowski; Veseli, Silvestre, Dell’Orco; Di Lorenzo, Acquah (65′ Brighi), Bennacer, Krunic, Pasqual (83′ Uçan); Farias (79′ Oberlin), Caputo A disp.: Perucchini, Provedel, Maietta, Nikolaou, Pajac, Rasmussen, Capezzi, Traoré Téc.: Giuseppe Iachini

Cartões: 13’Florenzi, 13’Cristante, 37’Acquah, 62'El Shaarawy, 80’Florenzi (expulso)

F I C H A
avatar
0
1
Bentornato cadela!!!!  hello
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM

uCoz