SPAL O SOLDADO DO INFERNO
O resultado de hoje nos levou para o inferno, literalmente... e o time da Spal foi apenas mais um soldado a lembrar que as guerras travadas até aqui, apenas aumentam as feridas e amarguras. Parece que a cada jogo a esperança prevalece, como naturalmente deveria ser, porém não é bem assim que acontece no final. A preocupação então parece ser apenas em alcançar um patamar superior, se esquecendo porém que para isso é preciso recomeçar do zero e não insistir nos mesmos erros de sempre. Hoje o time que entrou em campo criou mais chances, conclusões e algumas oportunidades. A Roma sente o desejo de evoluir, mas nem de um time sem pretensões e desesperado consegue arrancar três pontos. Reset giallorosso, ricominciamo! Porém de maneira sensata, sem criar uma guerra desnecessária.

Síntese: Corriere dello Sport

Roma, passo em falso para a Champions: nova derrota com a Spal. Fares abre o placar aos 22 minutos, no segundo tempo empate Perotti da marca do penalti. Depois Petagna, converte também de penalti o gol da vitoria.

A primeira Roma de verdade de Ranieri desaba na casa da Spal, derrotada por 2 a 1. Em casa a equipe de Semplici não vencia desde 17 de setembro. Contra os giallorossi depois, esse ano a botinha foi plena depois da vitória no jogo de ida no Olímpico: dos 26 pontos, 6 vieram contra a Roma. Falida a pretensão em alcançar a Inter na quarta posição, os giallorossi agora devem se preocupar com as costas. A corrida Champions se complica tremendamente depois desse nocaute. Schick em dupla com Dzeko não funcionou. A equipe deve ainda metabolizar as mudanças trazidas por Ranieri, mas o tempo é curto. No segundo tempo o ingresso de Zaniolo revitalizou um pouco os romanistas, mas não bastou. Depois dos 2 a 1 no debute com o Empoli em Roma, o técnico de San Saba sofre sua primeira derrota nessas 12 finais. No segundo tempo o ingresso de Zaniolo revitalizou um pouco a equipe, mas não bastou.

AS ESCOLHAS DE RANIERI - Ranieri reencontra Dzeko e Fazio, mas deve fazer as contas com os muitos indisponíveis: De Rossi, Kolarov, Manolas, Pastore, Pellegrini, Under, mais Florenzi suspenso. O técnico giallorosso confia no 4-4-2 com a dupla Schick-Dzeko no ataque. Zaniolo vai para o banco, Ranieri escolhe Kluivert. Simples o 4-4-2 o abandona, depois dos escassos resultados da jornada passada passa ao 3-5-2.

BRUTA ROMA - Se espera uma Roma agressiva, determinada a tomar rapidamente a partida. Ao contrário os giallorossi estão apagados, lentos, empacados. A Spal espera sem arriscar nada, depois ataca no contrapé, sobretudo com Lazzari, que enlouquece Juan Jesus, sobretudo quando El Shaarawy não lhe fornece assistência. A Roma confia nos lançamentos longos de Olsen, e não conclui jamais a gol. Aos 17 minutos a Spal tem a primeira ocasião para passar a frente, com Murgia que de nuca dispara uma bola que passa muito perto. A Roma não acena nenhuma reação: continua a perambular e esperar alguma luz por parte dos atacantes que não chegam. Aos 22 minutos a Spal passa a frente com Fares, que de cabeça supera Karsdorp e bate Olsen. Três minutos depois os donos da casa possuem uma ótima chance para aumentarem a vantagem com Kurtic que faz partir um chute venenoso do limite da área. A primeira chance giallorossa vem aos trinta e cinco minutos com Dzeko que parte forte e dispara sobre Viviano. Três minutos depois tenta também com El Shaarawy, mas não enquadra o gol. São os únicos dois sinais de um primeiro tempo a se esquecer. Dzeko muito nervoso leva amarelo porque voltando dos vestiários empurra o diretor esportivo da Spal, Vagnati.

DOIS PÊNALTIS - No segundo tempo Ranieri muda ambas as pontas da equipe na esperança de sacudir a equipe: dentro Zaniolo e Perotti, fora kluivert e El Shaarawy. A mudança gera frutos porque se a manobra não melhora, aos 52’ Zaniolo inventa uma grande jogada para servir Dzeko, segurado dentro da área por Cionek: é pênalti. Da marca Perotti desloca Viviano. A Roma toma coragem, mas na defesa continua a balançar. Aos 59 minutos a Spal parte em contra-ataque e Petagna é derrubado na área depois de um contato com Juan Jesus. Para Rocchi é pênalti também e confirma a decisão depois de um longo período de checagem. Da marca da cal Petagna não erra e recoloca a Spal na frente. Aos 73’ Dzeko tenta retomar a Roma nas costas e inventa uma grande jogada, mas Viviano nega o gol com um milagre. Aos 79’ Cionek de cabeça acerta a parte alta do travessão. Ranieri joga a ultima carta: Santon no lugar de Karsdorp. No final a Roma tenta surpreender a Spal mas jamais incomoda Viviano. A Spal não vencia a seis rodadas: grande festa no Mazza pelos três pontos que o distanciam da zona de rebaixamento. A Roma volta para casa com tantos problemas para resolver.

SPAL (442): Viviano; Bonifazi, Cionek, Vicari, Fares; Lazzari (76′ Regini), Missiroli, Murgia (84′ Simic), Kurtic (79′ Schiattarella); Antenucci, Petagna A disp.: Gomis, Poluzzi, Dickmann, Felipe, Costa, Valdifiori, Paloschi, Jankovic, Floccari Téc.: Leonardo Semplici

ROMA (442): Olsen, Karsdorp (79' Santon), Fazio, Marcano, Jesus, Kluivert (46' Zaniolo), Nzonzi, Cristante, El Shaarawy (46' Perotti), Schick, Dzeko

Cartões: 5’Vicari,40’Nzonzi, 52’Dzeko, 53’Cionek, 54’Fares, 57’Juan Jesus, 63’Perotti, 64’Missiroli, 69’Cristante

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM

uCoz