BÉRGAMO SENDO BÉRGAMO. ROMA SENDO ROMA
Se há uma cidade que espanta qualquer time, principalmente a Roma, é Bérgamo. Terra berço da família Locatelli nunca é um ambiente fácil de se jogar e, claro, de se vencer. Antes de iniciar a partida qualquer romanista diria que um empate seria um resultado bom, apesar de não nos ajudar na classificação. Até saímos pro intervalo com um 3-1. Mas, com a Roma sempre tem o "mas", e num segundo tempo típico de uma romada histórica, a Roma novamente deixou uma vitória escapar por entre os dedos. Com as circunstâncias do jogo, o empate acabou tendo um amargo sabor. A Roma insiste em castigar seus torcedores e são essas partidas que nos fazem ver a diferença entre um time campeão e um time não campeão.

Síntese: Corriere dello Sport

Roma chock, de 3 a 0 a 3 a 3 contra a Atalanta. Dzeko faz dois, terceiro de El Shaarawy em 40 minutos, depois reação nerazzurra com Castagne, Toloi e Zapata, que erra inclusive um pênalti.

Por: Ugo Trani

Uma partida jogada fora de maneira ruim, quando era amplamente liquidada: a Roma em Bergamo joga quarenta minutos em alto nível, sofrendo, mas de maneira controlada até os 3 a 0 (bis de Dzeko mais El Shaarawy, com duas assistências de Zaniolo). Depois a equipe de Di Francesco perde de maneira improvisada a concentração e primeiro cai diante de Castagne salva temporariamente pelo intervalo, depois completa o desagio presenteando o segundo tempo a Atalanta que chega rapidamente ao empate com os gols de Toloi de cabeça e Zapata, um minuto depois do inacreditável erro da marca do pênalti do colombiano que poderia ter dado a vitória ao time de Bérgamo. 

A Roma sai na frente logo no inicio: bola no meio de Kolarov, Zaniolo ajeita para Dzeko que sozinho na frente do goleiro não erra. Ilicic responde assustando Olsen com um grande arremate de primeira de esquerda depois de uma bola genial de Gomez, fora por muito pouco: o esloveno está inspirado e mantem apreensiva a defesa giallorossa, brava em expelir os assaltos e a distribuir o jogo para a segunda estocada aos 33’, mais uma vez de Dzeko interceptado por Nzonzi. O bósnio supera a saída incerta de Berisha e deposita no gol seu bis e o segundo da Roma. Não acabou, aos 40’ Zaniolo em contrapé inventa uma assistência fantástica para El Shaarawy que entra na área pela esquerda , ajeita e despacha o terceiro as costas de Berisha. 3 a 0, parece tudo liquidado, mas a festa de Di Francesco começa a ruir antes do intervalo: cruzamento de Gomez e cabeçada de Castagne para o gol que reabre o jogo. O segundo tempo é um monologo nerazurro: Olsen salva uma ação de Ilicic, que faz tudo certo mas se enrola no momento de concluir, mas é Tolio de cabeça a surpreender Manolas na intervenção e marcar o segundo da Atalanta inflamando o estádio. Os nerazurri todos no ataque, pênalti sobre Ilicic concedido pelo Var depois do contato de Kolarov. Da marca do pênalti Zapata manda para as estrelas, mas é perdoado um minuto depois quando em diagonal bate Olsen deixando tudo igual a partida.

@utti60

ATALANTA (3412): Berisha; Toloi, Djimsiti (53′ Palomino), Mancini; Hateboer, de Roon, Pasalic (91′ Pessina), Castagne; Gomez; Ilicic (84′ Barrow), Zapata. A disp.: Gollini, Rossi, Masiello, Gosens, Reca, Freuler, Kulusevski, Piccoli Téc.: Gian Piero Gasperini

ROMA (4231): Olsen, Karsdorp (78' Fazio), Manolas, Marcano, Kolarov, Cristante, Nzonzi, Zaniolo, Pellegrini (65' Florenzi), El Shaarawy (61' Kluivert), Dzeko

Cartões: 23’Cristante, 35’Manolas, 64’Nzonzi

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM

uCoz