AQUELA DÚVIDA NO ÚLTIMO INSTANTE
Já acompanhamos algunas pré-temporadas de Spalletti e particularmente é impossível não admirá-lo pela forma como administra competentemente isso, mas confesso que fiquei apreensivo depois de hoje. Porque como vinha escrevendo, uma coisa é pegar equipes juniores de um questionável futebol, como é o norte americano: não é por nada, mas futebol com os pés parece não ser a dos caras. Ah mas teve o Liverpool… É, teve, talvez até com uma condição menos preocupante, pois Klopp tem um orgânico muito mais interessante. Tudo porque preocupa ver Florenzi parecendo em um filme cômico em campo e Veermalen, que recém chegou (pasmem!) perdido como barata tonta em alguns momentos. Fazio é o alívio: recém chegar e já fazer o gol que definiu a partida passa um pouco mais de confiança, porém saber que nossa zaga fala grego nos faz pensar que precisaria um pouco mais de tempo para esses caras se entrosarem. A clarividência de que o time ainda não está pronto e as vésperas, de talvez, o jogo mais importante da sua temporada.

Síntese: Corriere dello Sport

As avaliações. Gerson e Iturbe ainda atrasados. Florenzi pouco propositivo nas jogadas. É difícil agora pedir mais a Vermaelen.

Por: Roberto Maida

OS MELHORES

PEROTTI Venceu momentaneamente a disputa com El Shaarawy e em Latina deixou isso claro. Grande parte do jogo da Roma passa pelo seus pés, seja como ponta esquerda (estilo Genoa) ou como meia atacante. Uma mancha? O gol desperdiçado no primeiro tempo depois de uma passagem filtrante de Totti: muito fraco o chute disparado contra Pinsoglio.

FAZIO Aqui o limite é a velocidade: quando a bola corre se encontra na situação de ter que se arranjar. Mas no ar é um dominador, como demonstra o gol e não apenas, e tem inclusive um discreto pé: na pior das hipóteses, será uma boa alternativa para Manolas. A estréia com o gol decisivo é um ótimo sms de apresentação.

Jesus Em crescimento. Posicionado na esquerda, mas também como central canhoto na defesa a três que se viu por boa parte do segundo tempo, pareceu mais preciso e presente em relação aos amistosos americanos.

OS SUFICIENTES

VERMAELEN O debutante mais esperado alternou momentos de estrema maestria da situação, no início dos dois tempos, para algumas fases de sumiço. Como Fazio, se mostrou perigoso inclusive no ataque. Visto que chegou em Roma a poucas horas, era difícil pedir-lhe demais.

NAINGGOLAN Desenvolve com a justa atenção a tarefa de ladrão de bolas, guiando o pressing alto da defesa de Vivarini. Possui menos graça que o comum, todavia com a bola entre os pés, faltando por muitas vezes o gol de posição interessante.

TOTTI Titular no lugar do inchado Dzeko, encaixa com o sorriso os aplausos preventivos do publico de Latina. Em uma noite de ritmos não forçados, busca produzir ideias de gol e de gastar energias disponíveis para recompactar a equipe na fase defensiva. Boas algumas verticalizações das quais se agregam os erros de nunca para um talento.

PAREDES Abalado talvez pelas indiscrições de mercado, que o distancia de Roma, se limita a jogar simples, mas sem jamais sinais de que o faça mudar a velocidade da equipe.

EM APUROS

GERSON No segundo tempo é o primeiro a ser substituído, alguns minutos depois a dura reprovação de Spalletti. E isto explica tanto. Escalado desta vez como meia ala na direita não se mantém jamais vivo no jogo, propõe pouco e em ritmos muito lentos. Para ser útil imediatamente na Roma tem que mudar a marcha. E talvez até mesmo o comportamento.

ITURBE Jamais pode-se negar a vontade, aplicação e determinação. Mas não sabe quase nunca onde ir. Muitas vezes se bate contra a defesa do Latina e inclusive em outras circunstancias gerencia mal a bola. Spalletti está buscando revitaliza-lo, porém evidentemente o trabalho ainda não está completo.

FLORENZI O cruzamento desregulado na metade do segundo tempo é sintomático do atrazo da condição física. Erra tantas bolas e nas chegadas é pouco propositivo . Pouco a pouco reencontrará o passo habitual: lhe facilitaria por exemplo a defesa a três, que lhe daria menos trabalho em sua função defensiva.

@RobMaida

LATINA (352): Pinsoglio (45’ Tonti); Brosco (45’ Maciucca), Della Fiore (73’ Celli), Tena (45’ Esposito); Bruscagin (45’ Regoli), De Vitis (45’ Rolando), Moretti (45’ Criscuolo), Mariga (72’ Shahinas), Scaglia; Corvia (45’ Regolanti), Paoponi A disp.: Mazzoleni, Barry Téc.: Vincenzo Vivarini

ROMA 433: Alisson, Florenzi (72' De Rossi), Fazio, Veermalen (72' Manolas), Jesus (80' Gyomber), Paredes (72' Strootman), Nainggolan (80' Vainqueur), Gerson (57' Emerson), Perotti (72' Salah), Totti (72' El Shaarawy), Iturbe,

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM