E lá vamos nós de novo
A Roma entrou em campo pressionada. Um empate em casa contra o modesto Austria Wien, pela Europa League, foi um castigo especialmente com a atuação de gala de Totti. Para aumentar o sentimento de obrigação de bater o Bologna, a sombra de uma rara derrota da sempre líder Juventus, na abertura da rodada. Salah abriu o placar, após assistência confusa de Dzeko. No segundo tempo, Paredes cobrou falta despretensiosa que o goleiro do Bologna acabou aceitando. O terceiro veio com o artilheiro, finalizando com categoria o passe de Florenzi. O Bologna ainda faria seu gol de honra no último lance do bósnio no jogo, depois de quase 7 minutos sem a bola sair para permitir a entrada de Totti. O capitano teve poucos minutos em campo, mas ainda iniciaria a jogada do gol derradeiro de El Sharawy, enterrando de vez o time da Siciliano. A dois pontos da Juve, de volta a agonia do trabalho ingrato que é secar a Velha Senhora.

Síntese: Corriere della Sera

A Roma não desperdiça a ocasião. Palermo maltratado e Juve a -2. Abre Salah aos trinta, Paredes e o artilheiro Dzeko liquidam as contas

Por: Luca Valdisserri

ROMA Como um diesel. Se brilhar por grande parte do tempo, mas inexorável no segundo tempo, a Roma sai do duelo contra o Palermo com três pontos fundamentais para alcançar o Milan na segunda posição e se aproximar da Juve, que agora está somente a + 2.

Muita a diferença de qualidade em campo e muitos os erros do jovem goleiro croata Posavec, que até então havia se comportado bem, mas que ontem a noite afundou o Palermo: bola passada no meio das pernas em ocasião do primeiro gol (assistência de Dzeko e conclusão ruim de Salah mas vencedora, em seu quinto gol no campeonato) e frangaço na ocasião dos 2 a 0: a cobrança de falta de Paredes poderia ser defendida até com os pés, ao invés da pastelada com as mãos. Este Palermo só poderá escapar da segunda divisão - além do Crotone e Pescara - se achar uma terceira equipe pior. Uma tarefa difícil. Ontem agradou realmente apenas o velocista Aleesami.

A Roma deveria ser perdoada pelas distrações de quinta a noite, que custou a reação do Austria Viena dos 3 a 1 aos 3 a 3 na Europa League e deveria, sobretudo, romper outro lugar comum: aquele das ocasiões desperdiçadas que se apresentaram. A vitória do Milan, sábado a noite, reabriu o campeonato para todos e, jogando em casa contra o Palermo, a Roma não poderia falhar.

Assim o foi, mais uma vez nessa temporada, grande mérito fica registrado aqui de Edin Dzeko. No primeiro tempo o centroavante bósnio fez o Totti (no banco) e o Perotti (lesionado): isto é mandou os companheiros para o gol com as suas assistências. El Shaarawy desperdiçou a melhor delas aos treze, Salah desfrutou aos trinta minutos. No segundo tempo Dzeko se fez também de bomber, marcando o terceiro gol depois da assistência de Florenzi. Dzeko já chegou a oito gols, isto é aqueles que marcou em todo campeonato anterior. Acrescentem quatro assistências vencedoras e eis aqui o retrato de um atacante moderno e decisivo.

A Roma agora está na expectativa de dois jogos fora: Sassuolo e Empoli. Irão com o melhor ataque do campeonato (23) deixam as viagens mais leves, mas aquilo que mais conta, para Spalletti será recuperar aos poucos os lesionados. O primeiro deverá ser Rudiger, que no final de semana jogou uma partida com os Primaveras. Poderá ser muito útil nas rotações defensivas, mesmo se aquilo que falta mais é sempre uma mudança no meio campo. Mas a Roma será ainda assim em alta em janeiro, de certo uma contratação será feita. Seria um delito não jogar até o fim todas as cartas.

Mesmo ontem a noite Juan Jesus, que na função de lateral esquerdo não consegue realmente exibir continuidade, distribuiu mais arrepios do que boas jogadas, mas isso parece ser o dna da equipe de Spalletti. Arrisca sempre algo demais, mas compensa com os gols aos balaios.

ROMA (4231): Szczesny, Emerson, Manolas, Fazio, Jesus (46' Florenzi), Paredes, De Rossi, Salah, Nainggolan (69' Strootman), El Shaarawy, Dzeko (80' Totti)

PALERMO (3421): Posavec; Cionek, Goldaniga, Andelkovic; Morganella (60' Rispoli), Bruno Henrique, Gazzi, Aleesami; Diamanti (73' Jajalo), Chocev (70' Quaison); Nestorovski A disp.: Fulignati, Marson, Vitiello, Pezzella, Buoy, Hiljemark, Sallai, Embalo, Lo Faso Téc.: Roberto De Zerbi

Cartões: 28’Manolas, 35’Goldaniga,39’Jesus, 39’Chochev, 84’Salah

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM