Quem nasceu pra ser lobo, nunca será cão!
É isso que esperamos, já que contra o Napoli foi tão humilhantemente desrespeitada em pleno Olímpico não somente pelo nanico Mertens - além de fazer 2 gols ainda provocou a Lupa imitando cachorro - bem como a squadra giallorossa acovardada em campo, jogando verdadeiramente cerca de 5 minutos quando achou, no fim, o gol de Strootman. Derrota pesada na briga ao vice e que aprendemos na pele a importância dessa vaga direta pra UCL. Gostaria de acreditar que "il meglio deve ancora venire" como diria Ligabue mas com o time perdido em todos os setores, tendo o Lyon pela frente fica muito difícil o confronto. De qualquer forma fica o apelo: comportem-se como lobos e não vira-latas daqui pra frente!

Síntese: Il Messaggero

Mertens em dobro prega os giallorossi, Strootman não basta. Travessão de Perotti

Por: Ugo Trani

O gol de Strootman, antes dos acréscimos, torna o primeiro nocaute interno da Roma menos amargo neste campeonato (15 vitórias, contando as últimas 3 da temporada passada). Mesmo porque aquele diagonal de esquerda dá vantagem no saldo de gols nos confrontos diretos com o Napoli que com o 2 a 1 do Olímpico, marcado pelo bis de Mertens, vale na disputa pelo 2º lugar. No final do jogo, trave de Salah e travessão de Perotti após o extraordinário desvio de Reina, fase em parte esquecer o que aconteceu anteriormente. Porque Sarri, durante a maior parte do desafio, vence o duelo com Spalletti. Que perde o terceiro jogo consecutivo no Olímpico depois daqueles contra o Villarreal na Liga Europa e contra a Lazio pela Copa da Itália.

MUDANÇA INDIGESTA

O retorno ao 4-2-3-1 distorceu a Roma. Que, quase aterrorizada diante do dinâmico 4-3-3 dos napolitanos, sofreu, tanto o jogo quanto no ritmo do Napoli. E, ao mesmo tempo, acusou psicologicamente a queda no clássico da Coppa Italia. As 5 novidades não foram suficientes: com Szczesny, Juan Jesus, De Rossi, Perotti e El Sharaawy todos desde o começo da partida. Fisicamente, os intérpretes de Sarri estavam no controle da situação em todas as áreas do campo, arriscando apenas nos acréscimos e depois de ter errado várias vezes a bola dos 3 ou 0. Fazio cometeu um erro nas duas ações que permitiram, no primeiro tempo e no início do segundo, Mertens de marcar os gols da vitória que relançam os napolitanos (3 derrotas nos últimos 4 jogos antes de se apresentar no Olímpico). Spalletti interveio apenas após o segundo gol: Perotti no lugar de Fazio e Salah para saída de El Shaarawy. Além dos intérpretes, ele mudou o sistema de jogo, propondo o 3-4-2-1. Mas, após a expulsão de Sarri por protestos, o despertar dos giallorossi só chegou no final, portanto, atrasado. E depois de ter arriscado sofrer outros gols.

AGORA O LYON

A parada repentina afeta a classificação: a Juventus tem 7 pontos à frente e amanhã joga em Udine. O Napoli está novamente a 2 pontos da liderança. Na expectativa de tentar uma virada, no início de Abril contra a Lazio pela semifinal-final da Copa de Itália, a etapa de quinta-feira na França torna-se fundamental: a Roma, já na primeira partida pelas oitavas-de-final frente ao Lyon, não pode errar. Mesmo porque a Liga Europa pode se tornar o único objetivo na temporada.

@utti60

ROMA (4231): Szczesny, Rudiger, Manolas, Fazio (52' Peres), Jesus, De Rossi (34' Paredes), Strootman, Perotti, Nainggolan, El Shaarawy (52' Salah), Dzeko

NAPOLI (433): Reina; Hysaj, Albiol, Koulibaly, Ghoulam; Jorginho (65′ Diawara), Rog, Hamsik (78′ Milik); Callejon, Mertens (74′ Zielinksi), Insigne. A disp.: Rafael, Sepe, Chiriches, Maksimovic, Maggio, Strinic, Allan, Giaccherini, Pavoletti Téc.: Maurizio Sarri

Cartões: 17’Rog, 45’Manolas, 65’De Rossi, 83'’, 94’Perotti

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM