Abismo entre a expectativa e realidade
A atuação de Dzeko no clássico contra a Lazio parece refletir a própria Roma. O atacante pouco marca em jogos decisivos. A equipe sempre parece aquém em duelos eliminatórios, como foi na vitória por 3 a 2, que de nada adiantou. Com elenco possivelmente superior ao da Lazio, a eliminação exibe uma dificuldade da equipe em criar uma mentalidade vencedora. Não que seja fácil, já que durante décadas competiu de maneira quase desigual, mas o abismo entre o que muitos elencos pareciam poder oferecer e o que realmente ofereceram, em especial em jogos eliminatórios, faz pensar no ambiente de pouca confiança que parece rondar Trigoria. Falta qualidade– especialmente na construção e defesa -, mas falta ainda mais conjunto e um pouco de mentalidade vencedora.

Síntese: Corriere della Sera

A Roma está fora. Depois da vitória do jogo de ida os celestes perdem dentro do esperado e conquistam a terceira final em cinco anos. Os giallorossi atrás do marcador por duas vezes depois a virada, mas os 3 a 2 não evita a eliminação.

Por: Luca Valdisserri

ROMA O santo mudou de endereço e a Lazio do presidente Lotito, de Simone Inzaghi e de um grupo de jogadores com um salário correlativo que equivale a metade do da Roma reconquista a cidade desfrutando mais uma vez a Copa Itália, como no dia 26 de maio de 2013. Enfrentará na final o vencedor de Napoli-Juve (esta noite no San Paolo, jogo de ida 3 a 1 para os bianconeri) no dia 2 de junho ou 17 de maio, no caso em que a Juve vá para a final da Champions. Um resultado importante e merecido, por Simone Inzaghi. Deveria treinar a Salernitana na Série B e ao invés disso, depois do não de Bielsa, foi o treinador italiano que mais incidiu, juntamente com Gasperini, nesta temporada futebolística. Nas duas semifinais colocou no saco Spalletti, que ganha seis vezes mais do que ele que nem em março, muito menos ontem, fez entender o porque.

Como esse Velasco, quem vence comemora e quem perde explica. A Lazio enfrentará com moral a mil esse final de temporada, a partir do jogo contra o Napoli, domingo a noite, que vale pelo terceiro lugar. A Roma está as margens de uma outra temporada “zero tituli” e quem sabe se Spalletti, depois da eliminação na Champions, Europa League e Copa Itália, terá idéias mais claras sobre seu futuro. Porto, Olympique Lyon e Lazio eram, no papel, inferiores a Roma. O campo disse bem outra e ele não conta historias.

A Roma deveria fazer um milagre, mas esteve perto disso apenas uma vez aos 3 minutos: Dzeko antecipa claramente De Vrij, em um cruzamento de Emerson Palmieri, mas conclui por um sopro ao lado do gol. Dois minutos depois Immobile desfruta de um duplo rebate na área romanista e toca com a ponta do pé, antecipando Alisson: também dessa vez a bola termina muito próximo do gol. A pressão dos giallorossi é intensa mas o relógio joga com a Lazio. A qualificação foi decidida nos 2 a 0 do jogo de ida, deste modo, bem como ocorreu com os 4 a 2 em Lyon. A primeira intervenção de Rizzoli é o cartão amarelo para Nainggolan (justa) por uma falta no contra-pé de Anderson nos espaços que os giallorossi concederam.

A Roma ataca com a cabeça baixa, a Lazio espera confiante que chegue o seu momento. O trem da final passa pontual aos 37 minutos, quando Felipe Anderson coloca no meio da área, sem ser apressado, e a dividida entre Manolas e Immobile favorece o atacante: chute certeiro e milagre de Alisson, que porém nada pode fazer na sobra de Milinkovic-Savic. O sérvio, que já havia marcado no jogo de ida, entra diretamente na lista dos homens derby com apenas 22 anos. Uma obra de arte do mercado de Tare, que o tirou da Fiorentina no ultimo instante.

O gol de El Shaarawy, sobre o erro de Vrij, encerra o primeiro tempo mas permanece a incerteza não a esperança. Ciro Immobile, que venceu com sobras o confronte entre bombers com Dzeko, recoloca a Lazio na frente, partindo sozinho depois da assistência de Milinkovic na meia cancha vazia. É o símbolo de uma Roma sumida, que necessita mudar muitas caras: Monchi irá refletir? O bis no final de Salah manda para o almanaque uma vitória romanista, mas é um dos derby mais triste para uma torcida que mereceria mais. A noite é da Lazio.

ROMA (4231): Alisson, Rudiger, Manolas, Jesus (46' Peres), Emerson, Paredes (82' Totti), Strootman, Salah, Nainggolan, El Shaarawy (71' Perotti), Dzeko

LAZIO (3511): Strakosha; Bastos, de Vrij (45′ Hoedt), Wallace; Basta, Milinkovic-Savic, Biglia (70′ Radu), Lulic, Lukaku; Felipe Anderson (57′ Keita); Immobile A disp.: Vargic, Adamonis, Patric, Murgia, Crecco, Lombardi, L. Alberto, Djordjevic, Tounkara Téc.: Simone Inzaghi

Cartões: 26’Nainggolan, 32’Dzeko, 32’Felipe Anderson, 39’Paredes, 48’Lukaku, 74’Perotti

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM