Desta vez não acabou em fevereiro
Mais um fiasco, um jogo que vencemos a moda Juve, temos que agradecer que o ano esportivo não tenha terminado em fevereiro, como nas últimas temporadas. Dessa vez temos esperanças na Coppa e Europa, porém está claro que o time não mudou muito nesses 3 anos, sempre com titulares bons, mas um elenco que não será regular a temporada toda, a razão é que todo ano alguém é negociado. Enfim, é mais um ano sem grandes expectativas, em que a única coisa que realmente gostaríamos de ver, era o Capitano jogando mais vezes, na sua, quase certa, última temporada, não está ocorrendo e talvez não venha acontecer pois o técnico insiste em não acredita que ele consiga

Síntese: Il Messaggero

Um pênalti de Totti presenteia o derby, Roma bate o Cesena por 2 a 1 aos 97 minutos.

Por: Ugo Trani

Roma arrisca, mas passa. Totti, centésimo gol com Spalletti no banco, o acompanha para as semifinais da Copa Itália, onde encontrará a Lazio: uma penalidade nos acréscimos e um sucesso limitado diante de um Cesena antepenúltimo na Série B. A classificação existe a prestação não. Os giallorossi, salvos por Alisson na primeira parte, não conseguiram defender a vantagem conferida por Dzeko, 22 º gol na temporada, na metade do segundo tempo. Justo o goleiro presenteou o empate a Garritano, colocando seus companheiros em apuros. Que, na reação, pareciam cansados e nervosos. O sucesso, 15º na temporada em 17 jogos disputados no Olimpico, veio do mesmo jeito. Mas graças a entrada descomposta de Agliardi sobre Strootman, a poucos segundos dos suplementares. Penalidade contestada, mas convertida pelo capitão sob a Curva Sul.

TURNOVER EXAGERADO

Spalletti continua na disputa em 3 competições e, acima de tudo, permite que a Roma volte a jogar a semifinal, três anos depois da última vez. Mas, ao mudar 7 jogadores após o nocaute de Marassi diante da Sampdoria, complica a vida, tornando a formação menos confiável: com Alisson, Manolas, Juan Jesus, Mario Rui, Paredes, El Shaarawy e Totti em um 3-4. 3 que simplesmente não convence. O coro destoa e o público vaia. Fora o capitão, os outros tornam o asset vulnerável. No primeiro tempo Alisson é decisivo contra Rodriguez (2 defesas de aplausos), mas no segundo tempo o goleiro também se distrai. Perotti logo se lesiona, ressentimento muscular do flexor direito. Cabe a Dzeko no 4-2-3-1 com Totti como meia atacante. Mas é Nainggolan, em campo no lugar de Juan Jesus após o intervalo, a mudar o espírito da equipe. Mais agressivo no segundo tempo e acima de tudo mais perigoso. Mas, para avançar, é preciso um pênalti, o 12ª da temporada (10 no campeonato, 1 na Liga Europa e 1 na Copa da Itália). E o habitual Totti, fundamental mesmo aos 40 anos.

@utti60

ROMA (3421): Alisson, Rudiger, Manolas, Jesus (45' Nainggolan), Mario Rui, Paredes, Strootman, Peres, Perotti (21' Dzeko), El Shaarawy (82' Emerson), Totti

CESENA (352): Agliardi; Perticone, Ligi, Rigone; Renzetti, Konè, Vitale, Laribi (57′ Garritano), Balzano; Ciano (72′ Cocco), Rodriguez (85′ Panico) A disp.: Bardini, Pompei, Setola, Di Roberto, Schiavone, Gasperi Téc.: Andrea Camplone

Cartões: 5’Laribi, 69'Garritano, 84'Rodriguez, 92’ Manolas

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM