Maledizione
A Roma sabe como ninguém transformar sonhos em pesadelos. Durante a partida, parecia que víamos mais um capítulo genial do crepúsculo da carreira de Francesco Totti. E vimos. Mas aquela sensação de que somos torcedores privilegiados, que o capitão sempre nos dá, o time reverteu imediatamente. Ninguém mais se surpreende com as falhas e a frouxura da Roma quando o jogo parece ganho, mas isso não as faz doer menos. Pelo contrário. Elas passam, cada vez mais, a nos definir, completando o oxímoro que é ser romanista. Enquanto tivermos Totti, seremos parcialmente privilegiados. Fora ele, somos completamente amaldiçoados.

Síntese: Repubblica

Os giallorossi jogam dois pontos ao vento. Na frente com o placar de 3 a 1 aos 82’, os homens de Spalletti adormecem e são surpreendidos por Prokop e Kayode, em um espaço de dois minutos. Em precedência El Shaarawy, com um bis, e Florenzi haviam respondido ao gol inicial de Holzhauser. Totti comemora 100 jogos na Europa com duas assistências.

Por: Jacopo Mandredi

ROMA - Uma Roma distraída é surpreendida no final com dois gols pelo Áustria Viena e estraga a oportunidade tentadora de ficar isolada no topo do grupo da Liga Europa. Os Giallorossi obviamente pagaram uma séria queda na concentração. Em uma gestão tranquila, até o minuto 80, eles relaxaram após as duas mudanças técnicas e permitiram que o Áustria Viena endireitasse um jogo que parecia já concluído. Um sinal de que o salto de qualidade mental exigido por Fazio e pelo próprio Spalletti durante a semana ainda está longe de ser adquirido.

ROMA, FALTA AINDA O EQUILÍBRIO - Uma pena realmente porque o 3-3 deixa, assim, amarga a 100ª presença na Europa de Totti, que também embelezou sua prova com duas assistências fora de série, obscurece o belo bis de El Shaarawy e diminui o progresso mostrado por Gerson. O problema com a equipe de Spalletti ainda é o de ser um cobertor muito curto. Assim que ele cometer uma falta de atenção defensiva, é punida pontualmente. O justo equilíbrio ainda está longe de ser encontrado, apesar do bom progresso admirado em Nápoles.

SPALLETTI RELANÇA GERSON E ITURBE - Entre lesões (Peres e Perotti, bem como Vermaelen) e escolhas técnicas (Szczesny, Dzeko e Salah, bem como Strootman, fora de forma, no banco) Spalletti deu espaço para uma nova Roma com Alisson no gol, Gerson no meio-campo e o trio Iturbe-Totti-El Shaarawy no ataque. No front oposto, Fink propôs apenas uma variante da previsão, preferindo Venuto no lugar de Tajouri no tridente atrás do centroavante de Kayode.

JESUS ERRA, HOLZHAUSER MARCA - Apesar de errar o alvo em duas ocasiões com Florenzi e Paredes, a Roma atrás provou sofrer com a velocidade de Kauode e Venuto. E aos 16 minutos foi surpreendida. Grande parte da culpa recai sobre Jesus, que presenteou Kayode a bola que ele centralizou e imediatamente cruzou no meio para Holzhauser, bater Alisson com um arremate aéreo preciso de esquerda em diagonal.

EL SHAARAWY RECUPERA O RESULTADO - A Roma não se descompacta e na primeira ocasião contra-ofensiva empata: Gerson, com um lançamento iluminado dos 30 metros, coloca El Shaarawy em frente ao gol que com uma cavadinha perfeita do limite da área bate Almer na saída. A partida para o pobre goleiro austríaco durou apenas mais 3 minutos. Porque aos 22 minutos, ao tentar adiar uma bola com os pés fora da área, ele virou o joelho artificialmente causando uma distorção. Fink mandou Hadzikic para o campo, mas não foi suficiente porque aos 34 minutos, quando El Shaarawy, desmarcado novamente na área, desta vez por um lançamento perfeito de Totti, despachou um rasante chute de direita em diagonal da esquerda.

TOTTI ILUMINA, FLORENZI LIQUIDA COM O TRIS - A resposta do Austria Viena não vai além da ação pessoal de Venuto, que empenhou Alisson na primeira trave antes do final do primeiro tempo. A Roma controlou com ordem no segundo tempo e aos 69 minutos triplicou: Totti, com um magnífico cruzamento de direita do vértice da área, peneirou uma bola com um beijo para Florenzi que de pé direito ao voo despachou a bola sob o travessão.

FINK ADIVINHA AS MUDANÇAS, AUSTRIA VIENA EMPATA - Jogo encerrado para todos, mas não para Fink, que adivinhou as mudanças certas para minar uma Roma que dormiu entre os aplausos para El Shaarawy, Florenzi e Iturbe e os coros para os substitutos Salah e Dzeko . Ele acrescentou Tajouri e Prokop que em poucos minutos deram ao time a sacudida necessária para recuperar o resultado em apenas 2 minutos (82' e 84 '): o segundo encurtou a diferença recuperando uma bola que foi encurtada por Fazio em um cruzamento de Stryger Larsen, o primeiro, com um passe da meia cancha, forneceu a bola do 3 a 3 para Kayode, aproveitando-se de uma confusão entre Dzeko, Fazio e Alisson. E assim a estrada Europa para Roma fica mais distante. Em uma temporada já cheia de compromissos, certamente não é uma boa notícia.

@jacopomanfredi

ROMA (433): Alisson, Florenzi (76' Emerson), Manolas, Fazio, Jesus, Paredes, Gerson, Nainggolan, Iturbe (81' Dzeko), Totti, El Shaarawy (65' Salah)

AUSTRIA VIENA (4231): Almer (24′ Hadzikic); Larsen, Stronati, Filipovic, Martschinko; Serbest, Holzhauser; Venuto (75′ Tajouri), Grünwald (78′ Prokop), Pires; Kayode A disp.: , Vukojevic, Kadiri, Salamon, Kvasina Téc.: Thorsten Fink

Cartões: 45’Fazio, 90’Paredes, 90’Hadzikic

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM