Objetivo Conquistado?
O imperador romano Trajano conseguiu conquistar a Dácia (território da atual Romênia), o mesmo não aconteceu com Spalletti que, ao contrário do imperador, não precisava dessa conquista. Porém para os reservas essa era uma oportunidade para demonstrar o próprio valor. Gostei do Gerson que ainda deve verticalizar mais as jogadas, gostei da estreia do garoto Seck, não gostei do Iturbe que mais uma vez demonstrou de não merecer a Roma. O jogo/treino de hoje nos fez entender que a luta pelo “scudetto” não será nada fácil, a enorme diferença com a Juventus está no banco de reservas; o de Turim foi construído gastando quantias exorbitantes.

Síntese: Corriere dello Sport

A Roma gere com honra. Com os reservas não desfigura em Bucareste: ok ao retorno de Vermaelen e estréia de Seck

Por: Guido D’Ubaldo

A Roma encerrou a fase de grupos invicta, com a primeira posição conquistada com um turno de antecedência. O empate sem gols contra o Astra Giurgiu no gelo de Bucareste, confirmou o período positivo da equipe de Spalletti, que se prepara para enfrentar no giro de sete dias segunda e primeira classe no campeonato. A Roma chega ao momento clou na fase de crescimento, na ansia da espera do verdete de hoje após o recurso de Strootman. Spalletti está recuperando jogadores importantes. Ontem foi positiva a prestação de Vermaelen, que entra na briga para posição de titular. O belga demonstrou estar recuperado. A surpresa da partida com os romenos foi representada por Seck, na estréia em absoluto com a camisa giallorossa, que pode se tornar uma valida alternativa para a posição na esquerda. Tiveram trabalho no campo gelado e contra uma defesa muito fechada. Totti teve poucas ocasiões para mostrar seu talento bem como El Shaarawy (candidato a ser titular contra o Milan), brilhou.

EXPERIMENTOS. No imponente Estádio Nacional semivazio Spalletti mandou em campo uma Roma experimental. Se reviu Vermaelen titular depois de três meses e meio, fez sua estreia oficial com a camisa giallorossa Seck, Iturbe e Gerson buscaram a única vitrine que lhes foram concedido, até agora, na expectativa de entender se em janeiro terminarão no mercado. Totti jogou como falso nove, inserindo-se muitas vezes a partir do meio campo, com Iturbe e El Shaarawy que não conseguiram apoia-lo como deveriam. Nos onze titulares os poucos que serão confirmados segunda-feira contra o Milan (apenas três ou quatro), Strootman buscou deixar para trás o polemico episódio pós-derby, mas sua partida mais importante será disputada hoje. O Astra Giurgiu atravessa um período não muito brilhante no campeonato e veio a campo com o objetivo de buscar pontos para uma inesperada qualificação. No final veio o Sassuolo da Romenia cumpriu o objetivo e fez festa. A Roma havia já carimbado o passaporte com a liderança assegurada que lhe consentirá de ser cabeça de chave nos sorteios para os playoffs da Europa League, programado para segunda-feira. Spalletti as vésperas havia insistido sobre a busca de mentalidade de grande equipe que deve buscar vencer sempre. A Roma iniciou com o 4-3-3, com Emerson na famigerada posição de meia direita. Mas na metade no primeiro tempo o técnico advertiu a necessidade de mudar para dar equilibro a equipe. Deste modo reprogramou o brasileiro na esquerda, com a defesa a três e dois externos reais no meio campo a quatro. Os ritmos se abrandaram , com uma única ocasião de gol no primeiro tempo que ficou a cargo dos romenos. Justo no final Alisson se opôs a um chute preciso de Alice, atacante venenoso, que em janeiro irá se transferir para o Estrela Bucareste.

MUDANÇAS TÁTICAS. No segundo tempo mudou muito a fisionomia da partida. A Roma manteve a supremacia na posse de bola, o Astra tentou se fazer perigoso no contra golpe com Alice e Seto. Spalletti mudou mais uma vez. No inicio do segundo tempo colocou Emerson na defesa e moveu Seck para frente, depois de um quarto de hora inverteu novamente as duas posições dos dois externos. Que o técnico toscano teve vontade de enfrentar com empenho essa partida demonstrou inclusive o fato que na metade da fase final de jogo inseriu Dzeko e Nainggolan, os únicos titulares que tinha no banco além dos meninos da Primavera. O belga chegou perto do gol logo que entrou, com um chute que lembrou aquele que marcou no derby e confirmou seu estado de graça. O próprio Dzeko se mostrou perigoso. Ele também está pronto para o Milan.

@ziacoco_

ASTRA GIURGIU (5311) Lung; Stan, Oros, Sapunaru, Fabricio (dal 27' s.t. Florea), Nicoara; Seto, Lovin, Filipe Teixeira; Budescu (dal 43' s.t. Boubacar); Alibec (dal 45' s.t. Niculae) A disp.: Gavrilas, Moise, Ionita, Gheorghe Téc.: Marius Sumudica

ROMA (433): Alisson, Peres, Vermaelen, Jesus, Seck, Emerson (89' Marchizza), Strootman (70' Nainggolan), Gerson, Iturbe, Totti, El Shaarawy (70' Dzeko)

Cartões: 38’Lovin, 56’Alibec, 94’Mansaly

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM