Vitória com gosto de derrota
Nem parece que a Roma ganhou o jogo da Uefa Champions League, tamanho o número de reclamações dos torcedores do futebol apresentado contra o time mais fraco do grupo. Uma vitória magra que pode custar até mesmo uma classificação para a próxima fase, já que Chelsea e Atlético de Madri usarão esses jogos contra o Qarabag para fazer saldo de gols. Fora isso, o que mais entristeceu a torcida romanista foi a postura da equipe, que depois de fazer 2 a 0 foi se encolhendo, tomou o primeiro gol e poderia muito bem ter sofrido o empate. Para ainda sonhar com uma vaga, além e melhorar o futebol, vai ser preciso derrotar os rivais mais fortes e torcer por tropeços. Infelizmente, o que mais ficou desta vitória, com gosto de derrota, foi o desânimo e uma quase certeza de Liga Europa pela frente... 

Síntese: La Repubblica

Champions: Os homens de Di Francesco obtém um sucesso fundamental em Baku com o mínimo esforço. Eram 7 anos que os romanistas não venciam fora de casa na competição. Para os azerbaijães inútil o gol de Henrique.

Por: Jacopo Mandredi

BAKU - Com uma pitada de muito sofrimento, a Roma bate em Baku o Qarabag e fica com a satisfação de voltar a vencer fora de casa na Champions depois de sete anos. Três pontos fundamentais para prosseguir o caminho no difícil grupo. Os giallorossi não brilharam. Se colocaram sobretudo com o mínimo esforço contra um adversário que confirmou ser de nível inferior. Claro, a dupla vantagem, com apenas 15 minutos havia criado um ar de goleada. Ao invés disso uma pitada de relaxamento e a dificuldade em reencontrar tempo e e velocidade para as jogadas certas deixou mais complicado o previsto sucesso.

DI FRANCESCO REPROPÕE DEFREL NA PONTA - O técnico romanista voltou com o famigerado turnover mudando cinco peças na equipe que entrou em campo contra a Udinese. Relançou Peres, Jesus, Pellegrini, Gonalons e Defrel reprovando-o na ponta direita, poupando Florenzi, Fazio, Strootman, De Rossi e o lesionado Perotti. No front oposto Gurbanov, como nas previsões escolheu Agolli no lugar de Rzezniczak na lateral esquerda e confiou ao talentoso Madatov e não a Elyounussi pra buscar criar algum perigo a mais na retaguarda giallorossa.

MANOLAS E DZEKO, MORTÍFEROS UM-DOIS INICIAL - A Roma partiu em pequenos trotes mas fora brava em capitalizar melhor as primeiras duas ocasiões capitais no primeiro quarto de hora: aos 7 minutos abriu o placar após escanteio com uma bela cabeçada em mergulho de Manolas depois de uma tentativa de Pellegrini. Então, aos quinze, ampliou com Dzeko que domesticou na área uma bela bola servida por El Shaarawy e despachou sob o travessão.

GONALONS ERRA, HENRIQUE MARCA - Contra um adversario incapaz de criar perigos, a Roma acusou um fisiológico relaxamento e fora imediatamente punida: Gonalons deixou roubarem a bola na meia cancha por Ndlovu que desmarcado na área pescou na linha de impedimento Henrique, consentindo-lhe de bater confortavelmente Alisson. A Roma tentou retoma o jogo e ameaçou por outras duas vezes, antes do final do primeiro tempo Sehic com El Shaarawy e Kolarov em cobrança de falta.

A ROMA FALHA NO TERCEIRO - No segundo tempo o Qarabag logo tentou assustar Alisson com uma esquerda um pouco alta de Michel, mas depois não conseguiu dar continuidade na própria ação deixando a bola para os adversários. A Roma jogou em pequenos trotes, mas procurou três ótimas ocasiões para fechar as contas com Pellegrini, Kolarov e Peres que não tiveram a necessária lucidez para superar Sehic.

NDLOVU ASSUSTA ALISSON - Di Francesco perdeu por lesão Defrel e então, por sugestão, prefere não correr riscos. Recarrega o meio campo com Florenzi, De Rossi e Strootman, tirando o apagado Gonalons e o cansado Pellegrini. A Roma geriu com ordem , mas justo no ultimo segundo arriscou forte: um cruzamento da esquerda de Agolli que encontra Ndlovu que de cabeça tira fina da trave de Alisson na esquerda. Os giallorossi dão, assim, um suspiro de alívio: agora podem se dedicar ao duplo confronto com o Chelsea com maior serenidade.

@jacopomanfredi

QARABAG (451): Sehic; Medvedev, Huseynov, Sadygov, Agolli; Pedro Henrique (30′ st Elyounoussi), Richard, Michel (43′ st Dani Quintana), Garayev, Madatov (36′ st Guerrier); Ndlovu. A disp.: 1 Kanibolotskiy, 7 Amirgulyev, 52 Rzezniczak, 91 Diniyev Téc.: Gurban Gurbanov

ROMA (442): Alisson, Bruno Peres, Manolas, Juan Jesus, Kolarov, Pellegrini (82' Strootman), Gonalons (67' De Rossi), Nainggolan, Defrel (58' Florenzi), Dzeko, El Shaarawy

Cartões: 39'Qarayev, 41'Pedro Henrique, 43'Gonalons

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM