PARA SEGUIR SONHANDO
Nem de longe foi uma partida emocionante de se assistir - talvez os minutos finais, com a necessidade de manter o resultado por parte da Roma -, mas a vitória bem ao estilo Ranieri permitiu manter o sonho da classificação à Champions. Um time remendado, sem muitas variações, mas que ao menos teve relativa consistência defensiva. Outro mérito que Ranieri possui. Foram poucos lances de perigo, poucas jogadas de qualidade, um gol oportunista de De Rossi que talvez seja fundamental para os passos futuros, especialmente se a vaga for concretizada. O futebol não empolga, mas, no atual momento da temporada, com a possibilidade de perder os milhões da vaga na UCL, o fundamental, mínimo, foi cumprido. Permanece um misto de esperança e desânimo. A Roma que pode vir a ser.

Síntese: Gazzetta

De Rossi decisivo, grande golpe Champions. O meio campista giallorosso ensaca a poucos passos do gol aos 75’ e presenteia aos seus três pontos de peso na corrida ao quarto lugar. Doriani melhor no primeiro tempo, Mirante reativo.

Por: Filippo Grimaldi

Vitória de peso para os giallorossi graças ao gol de Daniele De Rossi no segundo tempo, o que os reaproxima da Champions. Tropeço pesado para a Samp na chave Europe League depois do nocaute em Turim: agora para os blucerchiati se torna uma jogo-chave, o derby próximo domingo.

DUELO - Era o duelo entre a qualidade da Roma contra o grande dinamismo da Sampdoria. O primeiro tempo passa sobre esses dois conceitos, com os giallorossi que colocam Schick como único centro-avante em um 4-2-3-1 que consente a equipe de Ranieri de batalhar com eficácia sobre uma mediana que a Samp consegue fazer sua apenas quando tem lucidez e velocidade para encontrar a superioridade numérica graças as jogadas de Saponara. Giampaolo confia em Tonelli titular na defesa no lugar de Colley, propondo novamente um endiabrado Defrel dupla com Quagliarella. Na Roma, grande movimentação de Zaniolo na direita, onde duela com Murru, enquanto Kluivert no corredor oposto mantém sob apreensão um movimentadíssimo Sala.

BATE REBATE - A Samp parte forte e aos seis minutos de esquerda Quagliarella chega perto do gol pescado por Saponara, o qual responde (21’) Kluivert: Audero defende no chão. É um jogo que vive sob contínuas mudanças de ação de um fronte ao outro. Defrel é de aplausos aos vinte e quatro minutos, mas o reflexo de Mirante é prodigioso. A Samp entende que o único modo para passar pela Roma solida e concreta com a bola em terra é o de surpreende-la sob o aspecto de velocidade, mas os giallorossi se complicam apenas em dois momentos, não acaso primeiro Schick (que impede o contra golpe de Vieira) e depois Kolarov (que interrompe irregularmente a aceleração de Praet sob a corrida na direita da Sampa) são obrigados a parar com falta e consequentemente cartão amarelo.

SEGUNDO TEMPO - Schick é perigoso por duas vezes (3 e 9 minutos) no início do segundo tempo, quando surpreende Audero, mas de cabeças manda ao lado, depois Saponara de direita manda perto do travessão. Jogo vivaz como no primeiro tempo, depois Giampaolo busca a ribalta inserindo Jankto no lugar de Saponara e Gabbiadini por Linetty, com o primeiro que ocupa o corredor da esquerda e Defrel que passa a ser meia atacante como quando atuava com o seu ex time Southampton em dupla com o capitão da Samp. A Roma desfruta mais o giro da bola, se move por linhas horizontais, estuda e a Samp é mais imprevisível. Difícil achar uma saída, deste modo Ranieri substitui Pellegrini com Dzeko. É um duelo que se ascende sempre mais no final, quando as equipes se abrem e também a entrada de El Shaarawy no lugar de Kluivert dá tração para os giallorossi na esquerda. Pouco depois da meia hora após cobrança de escanteio aos 31 minutos os giallorossi abrem o placar com De Rossi, que apoia para o gol uma bola prolongada pro Schick, mas desviada erroneamente por Audero, que acha De Rossi pronto para empurrar para dentro do gol, convalidado depois do ok do arbitro Mazzoleni após veredito do encarregado do VAR, assistente Guida. Final emocionante da Samp, mas sem sorte, com a Roma que chega perto de ampliar com Zaniolo, acertando a trave quase no finalzinho.

@FilippoGrimaldi

SAMPDORIA (4312): Audero; Sala, Andersen, Tonelli, Murru; Praet, Vieira (44' st Sau), Linetty (13' st Jankto); Saponara (13' st Gabbiadini); Quagliarella, Defrel. A disp.: Rafael, Belec, Colley, Ferrari, Tavares, Ramirez. Téc.: Marco Giampaolo

ROMA (4231): Mirante, Karsdorp (51' Jesus), Manolas, Fazio, Kolarov, De Rossi, Cristante, Zaniolo, Pellegrini (66' Dzeko), Kluivert (72' El Shaarawy), Schick

Cartões: 38’Saponara, 42’Schick, 43’Kolarov, 88’Gabbiadini

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM