AH… SIM, SEMPRE TEM ELES NESSES MOMENTOS
Se tudo vai mal, se o mundo parece estar acabando, sobretudo para nós romanistas, no caminho sempre aparece a Lazio para dar aquela forcinha. E que força! Contava assustadoramente muito esse jogo pois diante de tudo que a Roma apresentara nesse inicio de temporada o pensamento para o derby era sempre de prognósticos pra lá de pessimistas. É estranho e muito improvável que se possa fazer algum comentário adequado e que represente tudo aquilo que foi mostrado pelo time nessa temporada: derrotas desconcertantes, sobretudo aquela de Madrid, resultados embaraçosos como contra o Chievo em que se vencia por 2 a 0 e agora esse resultado com hombridade maiúscula sobre uma rival que vinha bem, e que principalmente tem um elenco respeitável. Mas principalmente porque se tratava de clássico, um jogo nervoso em que uma pisada em falso, sobretudo para a Roma, poderia comprometer ainda mais uma suposta reação. É possível que o time alavanque grandes resultados, sobretudo na Liga dos Campeões (bastante necessário agora), para poder recuperar o passo e reestabelecer um equilíbrio para o resto da temporada.

Síntese: Corriere della Sera

Roma deslumbrante, a crise é uma lembrança. Drifra: “Derby jogado como homens”. O técnico reencontra entusiasmo: “Este o comportamento para os grandes feitos”.

Por: Gianluca Piacentini

“Jogamos um derby com homens”. Está contente Eusebio Di Francesco, no final da vitória por 3 a 1 contra a Lazio, não poderia ser diferente. Com a segunda vitoria em quatro dias a Roma saiu da crise na qual estava afundada depois da derrota de Bologna, e agora pode olhar com maior serenidade o resto da temporada, a partir do jogo da Champions de de depois de amanhã com o Viktoria Plsen.

A análise do técnico reparte justo do jogo de Bologna. “A escolha de fazer o retiro - suas palavras - era a de afastar os medos e descontentamentos, fizemos um derby como homens e é aquilo que havia pedido. Devemos pensar em continuar a trabalhar com essa abnegação e com o mesmo comportamento, que nos levará a colher grandes satisfações”. A melhor noticia para o técnico é o comportamento que a equipe teve em campo. “Podem vir os resultados, mas quero ver um grupo que em campo se aplica sempre, como com a Lazio. Eles vinham de um momento melhor do ponto de vista psicológico, nós fomos bravos, vi uma equipe compacta. O derby são belos vencendo, estou feliz pela Roma, pelos romanistas e pela equipe, que entendeu que precisa por pra fora algo a mais. Eu vi rostos e olhos diferentes, tenho homens e meninos preparados”.

Kolarov, em campo com uma micro fratura em um dedo do pé, grande motivador: o sérvio marcou aos 71’ - uma grande nêmesis para os laziales - o gol do ex-jogador que recolocou a Roma na frente, comemorando de maneira exuberante. O lateral já havia marcado em um derby, em abril de 2009, mas com a Lazio. Junto ao sueco Arne Selmosson, que entre 1957 e 1959 realizou dois gols com os biancocelesti e três com a Roma, o único que marcou com ambas equipes em derby’s. “Sabia que antes ou depois marcaria no derby com a Roma - disse Kolarov - e estou contente por isso. Mesmo antes estava convencido que fossemos uma equipe forte, mas jogamos uma partida que queríamos: vencemos merecidamente, estamos contentes com a prestação, pelos nossos torcedores, mas sobretudo estou feliz por mim e meus companheiros”. A Roma saiu da crise. “No ano passado, de dezembro a fevereiro não havíamos vencido nenhuma partida. Nesta temporada a dificuldade chegou antes. Com o Bologna e com o Chievo deveríamos ter vencido mesmo jogando em oito ou nove jogadores”.

Daniele De Rossi saiu de campo por causa de um problema físico. “Era algo que sentia antes - suas palavras - me prejudicou de uma certa forma, precisaria repousar, mas acredito que no momento certo o farei para curar-me. Se pode mudar a temporada? Provavelmente tínhamos que colocar as coisas no lugar e o mister está conseguindo fazer isso da melhor maneira. Agora podemos relaxar, devemos buscar a quarta posição pelo menos. Estou contente por Pellegrini e Kolarov, que no passado jogaram inclusive com uma fratura no pé, somos uma equipe feita de homens de verdade”.

@PiaceGianluca

ROMA (4231): Olsen, Santon, Manolas, Fazio, Kolarov, De Rossi (74' Cristante), Nzonzi, Florenzi (83' Juan Jesus), Pastore (37' Pellegrini), El Shaarawy, Dzeko

LAZIO (3-5-1-1): Strakosha; Luiz Felipe, Acerbi, Caceres; Marusic, Parolo (9' st Badelj), Lucas Leiva, Milinkovic-Savic, Lulic (37' st Caicedo); Luis Alberto (9' st Correa); Immobile A disp.: Guerrieri, Cataldi, Wallace, Proto, Berisha, Durmisi, Murgia, Patric, Bastos Téc.: Simone Inzaghi

Cartões: 55’ Olsen, 62’Dzeko, 66’Pellegrini, 70’Milan Badelj

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM