EQUILIBRIO ESPERADO ANO RENOVADO
Um jogo chave, importantíssimo sob todos os pontos de vista, primeiro porque era contra o Parma, embora um famigerado freguês nos melhores momentos da Roma, sempre foi uma ferida quando o time o enfrentava em momentos de crise. E esse não era diferente, embora uma vitória entusiasmante contra o fraco Sassuolo precisava mostrar continuidade fora de casa e diante dos “ducales” que possuem um time muito interessante principalmente na linha ofensiva com o velho e conhecido Gervinho. O resultado serve para dar uma esperança não apenas a título de resultado (-2 da zona Champions), mas sobretudo de confiança para a próxima metade do campeonato. Boas novas também vindas do criticado meio campo giallorosso: Cristante mais uma vez prova estar interessado em assegurar seu lugar no time mostrando-se que pode dar o equilíbrio que o setor precisa. Acima de tudo sentimos segurança e mesmo depois do gol o time continuou soberano em campo não dando jamais mostras de queda de rendimento como nas outras partidas. Cengiz Under magnífico em campo. embora ainda precise daquela pitada final para se tornar o ponta esquerda esperado, foi importantíssimo para o ataque romanista hoje. Um ano que se encerra com aquela magnífica lembrança das semifinais da Liga dos Campeões da Europa, sobretudo no jogo do Barcellona, a Roma que esperamos, o time que todo mundo quer. Feliz 2019!

Síntese: Corriere dello Sport

Roma vence o Parma com gols de Cristante e Under. Os giallorossi reencontram a vitória fora de casa que já não acontecia a quase três meses: Di Francesco poderá descansar serenamente nesse intervalo de campeonato, para lançar a corrida a Champions no returno da competição.

Por: Valerio Minutiello

Di Francesco pode descansar serenamente seu final de ano. A Roma bate o Parma por 2 a 0 com gols de Cristante e Under e volta a vencer também fora de casa. Uma bela confirmação depois dos 3 a 1 no Sassuolo no boxing day. Desde outubro que os giallorossi não conquistavam duas vitórias consecutivas no campeonato (então três). O técnico romanista está aos poucos reencontrando inclusive os passos fundamentais da equipe. Se em Parma Manolas teve que abandonar o match por lesão, retornaram Dzeko desde o primeiro minuto, e Pellegrini no segundo tempo. No banco estavam Perotti e El Shaarawy. Em suma, a emergência parece ter acabado. Com estes seis pontos conquistados em três dias, Di Francesco poderá trabalhar com serenidade para lançar a corrida a Champions no returno. O primeiro turno fechou com a miséria de trinta pontos entre muitos altos e baixos e vários pontos perdidos para as pequenas. Mas a corrida para Champions ainda está aberta, com a Lazio na quarta posição a +2. Os problemas não foram todos resolvidos e foram vistos também em Parma. Manobra bloqueada e sem grandes mudanças no primeiro tempo no qual a Roma arriscou inclusive de sofrer gol, depois no segundo tempo a equipe cresceu e venceu merecidamente. Gervinho, o grande ex e o perigo número um, foi bem controlado pela defesa que finalmente consegui fechar o jogo com um clean sheet depois de consideráveis 10 partidas.

VOLTAM OS BIG - Di Francesco reencontra Dzeko desde o primeiro minuto. O bósnio não estava entre os titulares ha quase dois meses, e no Tardini jamais havia jogado antes. A Roma escolhe o 4-2-3-1. módulo com o qual se viu fazer melhor nessa temporada. O bósnio foi colocado ao lado de Kluivert e Under, com Zaniolo atrás. No Parma com o tridente sem Inglese, a assustar os giallorossi, inútil dizer, é o grande ex Gervinho. A Roma logo tem a posse da bola, mas não consegue quase nunca chegar perto de Sepe. Dzeko não está ao top e tem dificuldades em entrar no jogo. Das pontas se produz pouco: Kluivert e Under fazem pouco, Florenzi é bloqueado por Biabiany e Kolarov cria um cruzamento, mas Dzeko não aparece. O jogo do Parma é claro defesa e lançamentos longos para Gervinho que quando parte em velocidade coloca em sérias dificuldades Manolas e Fazio. A ocasião melhor do primeiro tempo porém, é de Silogardi que aos 28 minutos se encontra frente a frente com Olsen: o goleiro giallorosso faz milagre para desviar a bola para o travessão. Aos 38’ Gervinho semeia mais uma vez pânico e cava uma falta perigosa do limite da área: o chute de Stulac fica na barreira. O primeiro tempo se encerra com a Roma que não conclui praticamente quase nunca no gol.

CRISTANTE ABRE O PLACAR - No segundo tempo a Roma tenta levantar um pouco o ritmo do jogo, mas depois de um bom inicio continua a ter dificuldades. Os giallorossi porém conseguem abrir o placar aos 59’ mais uma vez de bola parada. Sob cobrança de escanteio Cristante salta mais que todos, marcando seu quarto gol com a camisa romanista, o terceiro no mês de dezembro. Pouco depois da vantagem Manolas, que estava rangendo os dentes desde o primeiro tempo, levanta bandeira branca, indo para o banco depois de um estiramento muscular: no seu lugar entra Juan Jesus. Com o placar aberto, o Parma é obrigado a deixar mais espaço para a Roma, que a frente do marcador muda a marcha. Dzeko é perigoso em várias ocasiões, depois aos 70’ conclui com uma bola que passa muito perto. Aos 74’ Sepe rebate uma cobrança perigosa do atacante bósnio em contra-ataque.

UNDER AMPLIA - Logo depois Di Francesco lança em campo Pellegrini no lugar de Zaniolo. Um outro retorno importante para o técnico da Roma, e se nota rapidamente: O meio campista depois de poucos segundos serve Under para a bola dos 2 a 0. No final Dzeko busca seu gol com insistência antes de deixar o campo para Schick. A Roma controla, correndo como muitas vezes comentando alguns riscos inúteis, e leva pra casa três pontos preciosos. Retornará no dia 14, para o jogo pela Copa Itália contra o Entella no Olímpico. A temporada da Roma parecia já ter naufragado, mas ao contrário ainda pode retomá-la.

@valeminutiello

PARMA (433): Sepe; Iacoponi, Bruno Alves, Bastoni, Gagliolo; Deiola, Stulac, Barillà (37' st Di Gaudio); Siligardi (16' st Ceravolo), Gervinho, Biabiany (24' st Sprocati). A disp.: Rigoni, Dezi, Gobbi, Gazzola, Ciciretti, Bagheria, Frattali. Técnico: Roberto D'Aversa

ROMA (4231): Olsen, Florenzi, Manolas (60' Juan Jesus), Fazio, Kolarov, Cristante, Nzonzi, Under, Zaniolo (74' Pellegrini), Kluivert, Dzeko (83' Schick)

Cartões: 45’Kolarov, 67’Barillà

F I C H A
avatar

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM